12/02/2009

Trabalhando Sem Empregos


“O que está desaparecendo hoje não é apenas um certo número de empregos, ou empregos de certas áreas econômicas, ou empregos de alguma parte do País (...)
O que está desaparecendo é a coisa em si: o emprego.”

(William Bridges)

O fragmento acima foi extraído do livro que causou grande impacto no mercado americano há alguns anos: "Um Mundo Sem Empregos" (Job Shift), do Ph.D, consultor e conferencista americano William Bridges.

Antes deste trabalho, outros autores já haviam detectado algumas peças do quebra-cabeça, como Alvin Tofler em "A Terceira Onda", John Naisbitt em "Megatrends" e Faith Popcorn no "Relatório Popcorn", porém foi Bridges que soube agrupá-las melhor.

Não é de hoje que percebemos as mudanças nas relações trabalhistas, mas durante muito tempo não compreendemos o que estava realmente acontecendo. Nos foi dito que era a recessão, transformações políticas etc, mas havia um motivo muito mais forte a considerar: o fim da Era Industrial.

Hoje, que a economia parece tentar se reerguer, nos deparamos com os mais críticos problemas sociais gerados nesta transição - fome, desemprego, abandono, desilusão...

O operário de fábrica, que aprendeu a desenvolver seus músculos e aceitar a escravidão trabalhista como regra, agora está desesperado, pois não sabe viver sem o suporte do emprego. Na classe média a droga é outra, mas a dependência é a mesma.

Desde cedo, fomos adestrados para aceitar a exploração da nossa força de trabalho pelo empregador no ritmo "nove às seis".

Nos acostumamos a receber menos do que merecemos. Não importa se somos Office Boy, Administrador de Empresas, Merendeira ou Físico Nuclear, pois, enquanto empregados, somos escravizados do mesmo jeito.

É verdade e Bridges está certo. O emprego tradicional não tem muito futuro na sociedade pós-industrial.

O dinamismo do mercado não sustenta mais o inchaço provocado por profissionais ociosos. É a reengenharia que surgiu das empresas para forçar a atualização de todas as relações trabalhistas.

Não basta negar e seguir como se nada estivesse acontecendo. A própria lei da oferta e da procura fez cair os salários e eliminar qualquer parâmetro de segurança financeira e estabilidade.

Os jovens formandos, ainda acostumados com o espírito de guerrilha incutido pelos jornais e TV, vendem seu vigor por meia dúzia de bananas, dois vales- transporte e um ticket-enrolação.

Todos assistem o surgimento de milhares de sub-empregos, bicos e atravessadores, mas ninguém se dá conta que o melhor seria profissionalizar o bico e se tornar um autônomo (a maioria dos empregos vai desaparecer).

Hoje, o eletricista, o feirante e o pintor-de-paredes acabam ganhando mais do que muito trainee das grandes empresas. Tudo isto porque são donos do seu próprio negócio e - uma vez conquistada a clientela - têm muito mais segurança do que a maioria dos engravatados.

William Bridges é claro ao dizer que as pessoas devem se administrar como empresas individuais. De preferência, especializadas em algo que o computador ainda não possa fazer.

Já passamos da era fria e calculista do trabalho mecânico, repetitivo. Neste momento, as empresas estão procurando o ser-humano de novo, para solucionar aqueles vazios que a máquina nunca irá substituir.

Procuram-se cérebros criativos, determinação, liderança, atitude... valores humanos em geral. Procuram-se pessoas capazes de reagir à rapida evolução das coisas, com jogo-de-cintura para o que der e vier.

"Eu não sei", "eu não consigo", "eu não levo jeito" são frases banidas do mercado "sem empregos".

Neste novo quadro social, espera-se que as pessoas procurem o próprio desenvolvimento e estejam prontos para negociar seu valor como trabalhadores temporários independentes.


Extraído de: http://www.chance.com.br em 11/02/09 às 09:52.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vídeos Motivacionais

Loading...